Big Relato

15/07/2009

Em 2009 completamos nossa sétima aventura anual de pesca na região do Alto Xingu. Como de costume, nosso BigAmigo ATAualpa Catalan, deu todos os jeitinhos possíveis para termos nosso grupo viabilizado.

Partimos de São Paulo na manhã de sexta-feira, 10 de julho em um busão leito fretado por nós, em viagem direta para Canarana-MT. Foram 23 horas de viagem com paradas apenas para café, almoço e jantar, além de uma saltada do ônibus para atravessarmos um rio através de uma balsa. A viagem foi super gostosa e pudemos dedicar um tempão a colocar o papo em dia com amigos que já não víamos há tempos, bem como, estreitar a relação com aqueles a quem acabávamos de conhecer.

Canarana não representava, ainda, o fim de nossa odisséia, porém, o limite até onde o ônibus conseguia passar, já que dali para frente teríamos aproximadamente 2 horas e meia de estradas de barro, percorridas em um micro-ônibus, mais meia hora de botes subindo o Rio Kuluene, até chegarmos ao Rancho Xingu.


Logo na chegada, a primeira trapalhada de nosso BigEduSalame, que não agüentou de ansiedade e depois de estar sequinho no bote,



resolveu dar uma caída nas águas do Kuluene para efetivar seu batismo e detonar seu celular.



Meu parceiro de barco nesta pescaria foi o BigXincha, sujeito 100%, que manteve, junto comigo, a alegria daquelas águas, às vezes cruéis com os praticantes do Bait e do Fly Casting.

Além do Xincha, outros parceiros nota 10, foram nossos amigos Gigante e Kojak ou Kajok, como queiram, que dividiram o quarto da flatulência conosco.

Aqui vemos os 3 em nosso primeiro almoço na barranca do Rio Sete de Setembro, com um suculento churrasco de Cachorra, Corvina e Jurupoca, preparado pelo Cabeção e pelo André, nossos piloteiros.



Dois destes nossos parceiros: o Xincha e o Gigante, desenvolveram o magnífico Corri-Corri-Colá, um barquinho de 90cm x 50cm, controlado remotamente, com vara e carretilha comandada por uma furadeira elétrica.

Corricamos com ele no pontal e na frente do Rancho Xingu, onde foi capturada uma Pirarara linda, que fez muita força, mas não conseguiu transformar o Corri


Na nossa primeira incursão Kuluene acima, no sábado, minutos depois de nossa chegada, tivemos a compania do meu compadre Paulo Jacundá Grassmann, pois no primeiro dia, não tínhamos piloteiros.


05


Dali em diante, eu e Xincha capturamos 78 peixes em 5 dias e meio de pescaria. Uma média bem abaixo dos 128 que pegamos em 2003, quando também pescamos juntos. Infelizmente, quase 10 peixes a menos por dia, sendo que no Fly, que foi hiper produtivo em 2003 e nos anos posteriores, não consegui capturar um único exemplar, apesar de ter insistido bastante com linhas e moscas floating e sinking... enfim... há que ser analisado isso, mas os peixes foram recebidos com prazer e soltos com satisfação:


Algumas fotos dos muitos Tucunarés que pegamos













Todos os Tucunarés que capturamos no Xingu, foram libertados, sem feridas de farpas na boca. Aproveitamos o ensejo para dividirmos com nosso piloteiro a filosofia do Catch & Release... entre a grelha da churrasqueira e a água do rio, venceu a liberdade.



Além dos Tucunas, que salvaram a semana, por serem os mais gostosos de se pescar, pegamos também diversas corvinas?


Fotos de algumas corvinas capturadas







Uma das grandes coisas do Xingu é a variedade da vida local. Os rios abrigam inúmeras outras espécies, todas elas ameaçadas pela grande pressão da pesca, da soja e do gado. Mesmo assim, nós conseguimos capturar peixes e criaturas as mais diversas possíveis:


Aqui uma das bicudas que peguei:





Este belo Pacu pego numa das corredeiras do Kuluene com uma X-Rap 10 de meia água



Eu tinha dito que este ano a jurupoca iria piar… peguei uma, mas ela não piou, mesmo eu tentando fazer essa cara de japonês pra ela



Nosso BigAmigo Zé Crochê, com uma BigSuperCachara de 15 kg... o menino tá fraquinho e não conseguiu levantar o peixe todo



Que belíssima cachorra que meu BigParceiroXincha pegou nas mesmas corredeiras onde o Rio Kuluene está mudando seu curso e onde peguei o Pacu. Estávamos na rodada e arremessando para o meio da pauleira... na nossa frente, numa corredeira veloz, um bote ancorado com um casal pescando e diversos troncos espetados... foram 20 minutos nos quais trabalhamos em equipe: eu no elétrico, o piloteiro no remo e o Xincha brigando com a Cachorra... no fim valeu mesmo e ela chegou quase morta ao barco, virando pizza na pousada



A grande captura da Besta





E mais uma captura inusitada... peguei o presidente no Xingu


Iuahiuahaiuhaiuha… juro que não foi isso, senão eu o teria entregue aos índios. Essa aí veio numa Gotcha em uma de minhas pescarias solitárias em Angra dos Reis







 


Bem, meus amigos, procurei reduzir ao máximo a quantidade de fotos e palavras, para não ficar lotando o fórum com tanto material, mas, como a coisa lá é riquíssima, acaba que o pouco é grande, do mesmo jeito.



Espero que gostem, pois eu gostei muito. Provavelmente vou levar mais alguns anos até ir novamente ao Xingu, pois com os filhos novinhos poderei fazer apenas 1 viagem pescatícia por ano e ainda tenho outros lugares para conhecer.

 
O Rancho
  • Estrutura
  • Acomodações
  • Pista de Pouso
  • Depoimentos
  • Pesca
  • Condições de Pesca
  • Pescaria no Xingu
  • Ecoturismo
  • Paisagens
  • Animais
  • Fotos
  • Rancho
  • Amigos
  • Pescarias
  • Natureza
  • Institucional
  • Home
  • Localização
  • Links
  • Contato

  • Criação de Sites